quinta-feira, 26 de maio de 2011

Saga nordestina (Jairo Cézar - 1977)


Ser filho primogênito
Do derradeiro parto.
Partir do ventre fraco
Para o leito de anêmico.

Sugar do seio magro
Faíscas, leite parco.
Crescendo, não crescendo,
Já na infância me amargo.

Na lamúria das descrenças
Adolesço, acre berço.
Vou assim, em desconcerto,
E só um pouco, ainda cresço.

Já na sofrência da adultez,
Adulto velho, fruto murcho da escassez,
Da velhice me despeço, com muita pressa,
Bem ligeiro, agora peço,
Pelo anjo morto, meu filho, medo,
Expulso também da vida,
Sem demora, logo cedo.

8 comentários:

  1. Obrigado pelo espaço, amiga.
    Já virei seguidor.
    abraços paraibanos

    ResponderExcluir
  2. Mereces estar entre os grandes, poeta! Seus escritos são muito belos!!!

    ResponderExcluir
  3. Aproveita e dou os parabéns aos dois:)

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela leitura prezadas M. e Andressa.

    ResponderExcluir
  5. Talvez nossas influências sejam muito parecidas. Daí, a admiração mútua.

    ResponderExcluir