quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Por vezes, não raro... (Eucanaã Ferraz - 1961)

Por vezes, não raro,
basta um gesto, sua borracha,
um quase nada de alvaiade,
um rasgo e só.

No entanto, o carvão
de certas palavras,
de alguns nomes,
não se apaga fácil.

Afogá-lo, inútil:
o maralto traz
de volta cada sílaba
em sal fortalecida.

Enterrá-lo? Logo renascerá:
árvore alta, trigo, praga.
No fogo, irrompe a letra,
inda mais sólida liga.

Há que esperar do esquecimento
o dente miúdo
e lento roer a nódoa na língua,
o travo no peito.

2 comentários:

  1. Olá:)


    É bom saber onde vamos e quem encontramos...Aqui:)

    ResponderExcluir
  2. Não suma, não, M.! É bom te ver por aqui...

    ResponderExcluir