quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Soneto do breve momento (Vinícius de Moraes - 1913 - 1980)

Plumas de ninhos em teus seios; urnas
De rubras flores em teu ventre; flores
Por todo corpo teu, terso das dores
De primaveras loucas e noturnas.

Pântanos vegetais em tuas pernas
A fremir de serpentes e de sáurios
Itinerantes pelos multivários
Rios de águas estáticas e eternas.

Feras bramindo nas estepes frias
De tuas brancas nádegas vazias
Como um deserto transmudado em neve.

E em meio a essa inumana fauna e flora
Eu, nu e só, a ouvir o Homem que chora
A vida e a morte no momento breve.

2 comentários:

  1. Lindo post! Vinícius é mesmo imbatível...

    ResponderExcluir
  2. Lindo....
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir