segunda-feira, 6 de junho de 2011

Amor, quantos caminhos para chegar a um beijo (Pablo Neruda - 1904-1973)

Amor, quantos caminhos para chegar a um beijo,
que solidão errante até chegar a ti!
Os comboios continuam vazios rolando com a chuva.
Em Taltal a primavera não amanheceu ainda.

Mas tu e eu, meu amor, estamos juntos,
juntos da roupa às raízes,
juntos pelo outono, pela água, pelas ancas,
até sermos apenas tu e eu juntos.

Pensar que custou tantas pedras que o rio arrasta,
a emborcadura da água do Boroa,
pensar que separados por comboios e nações

tu e eu devíamos simplesmente amar-nos,
com todos confundidos, com homens e mulheres,
com a terra que implanta e educa os cravos.

2 comentários:

  1. Neruda é sempre Neruda. E de pensar que tem gente (boa) que não gosta dos poemas dele...

    ResponderExcluir