domingo, 23 de outubro de 2011

A menina, a avó e o pote de maionese... (Maíra Ramos)

     Nunca me dei bem com a morte. Em verdade, até acho que me dou um pouco pior que a média das pessoas. Nunca digo: "Fulano morreu ontem...". O verbo "morrer" é pouco (ou quase nunca) conjugado por mim. Prefiro o verbo "falecer". Aí digo: "Sicrano faleceu ontem". Mais suave, dá uma idéia de eternidade, como as coisas ligadas à morte devem ser.
     Uma das primeiras recordações da minha infância é a da minha avó paterna e um presente para mim: um lindo tapete com desenho de um trenzinho. Pois eu, do alto dos meus três anos de idade, gostava tanto do presente que passei a chamar a avó de "vó do tapete". E ela devia gostar da alcunha...
     Eis que um dia, já mais crescida, dei pela falta da "vó do tapete". Perguntei ao meu pai onde ela estava: "Virou poeira, minha filha!". E eu retruquei: "Pai, a gente vira poeira quando falece?" e ele respondeu: "Sim, todos nós viramos poeira quando morremos."
     Como eu gostava muito da minha avó e queria tê-la por perto, ao menos para a última despedida, pedi à minha mãe um vidro usado de maionese (daqueles aproveitáveis para as mais diversas coisas, após o uso original). Então, recolhia todas as poeiras da casa e as colocava dentro daquele pote de maionese, com tampa amarela ou laranja, já não me recordo mais. E ali estava minha avó, poeira do mundo, fazendo companhia e dando mais sentido aos meus dias.
     Durante muito tempo eu acreditei que a gente virava poeira quando morria. Hoje, sei que isso não ocorre, contudo, não sei o que nos acontecerá quando chegada a hora da partida. Só sei que o mundo era mais simples quando minha avó do tapete habitava meu quarto dentro de um vidro usado de maionese. Talvez tenha virado estrela...

9 comentários:

  1. Maíra, gostei muito desse escrito.
    muito sensivel e caiu bem quanto as angustias que tenho sentido.

    ResponderExcluir
  2. Escreva mais vezes... fico feliz quando vejo algum texto seu por aqui.
    mtos beijos.

    ResponderExcluir
  3. Brigadinha pelo elogio, Andressa! Você me estimula a continuar a escrever...

    ResponderExcluir
  4. parabéns, maíra.
    gostei da imagem no fim do texto.
    abraço

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Jairo, vindo de ti é um elogio e tanto!!!

    ResponderExcluir
  6. Poeira? Coitada da sua avó maíra, virar poeira e ser guardada num vidro de maionese!
    Ainda se fosse um pó, um pozinho... Tadinha!
    Mas no fundo seu pai estava certo, talvez quisesse te dar uma noção de como a vida é passageira.
    Mas adorei a maionese.
    Seus escritos são os que mais gosto!
    Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
  7. Filha, já se passaram 29 anos e vc ainda lembra disso? Reze por ela sempre, prq vc era muito querida por todos. Agora o pote de maionese não tenho lembranças dele não! Saudades de sua "vó do tapete"!

    ResponderExcluir