quinta-feira, 18 de abril de 2013

Minha cabeça cortada (Paulo Leminski - 1944 - 1989)

Minha cabeça cortada
Joguei na tua janela
Noite de lua
Janela aberta

Bate na parede
Perdendo os dentes
Cai na cama
Pesada de pensamentos

Talvez te assustes
Talvez a contemples
Contra a lua
Buscando a cor de meus olhos

Talvez a uses
Como despertador
Sobre o criado-mudo

Não quero assustar-te
Peço apenas um tratamento condigno
Para essa cabeça súbita
De minha parte

Um comentário:

  1. Ah que linda! Eu enviei essa poesia em 1997. Até hoje, eu adoro.
    <3

    ResponderExcluir